sexta-feira, 10 de abril de 2015

Sabe Como Educar o Seu Cão?



Notas;

Não se pode forçar qualquer animal a fazer o que este não quer.

O objetivo principal é fazer do cão uma companhia fiel, deixá-lo escolher “Andar Junto”.

Devemos recompensá-lo por andar junto. Podemos fazê-lo de muitas formas:

O encanto pessoal-  Para usar o “encanto pessoal” temos que ser, para o cão, encantadores. É estabelecido entre o dono e o cachorro, principalmente quando este é ainda filhote, uma relação de comando, sendo tanto através de gesto mas primordialmente através do comando falado. Sendo assim, nossa voz tem um poder mágico de encantamento.

Normalmente os animais assimilam conhecimentos facilmente, pelo fato de a voz, representar comumente nosso estado de espírito. Através dela o cão detecta nossos ânimos, percebe se estamos alegres, zangados, se vamos passear com ele, se ganhará algo ou não.

A conversa com o animal é fundamental e deve ser o maior prêmio que este recebe. Eles, assim como nós buscam muito amor, carinho e companhia acima de tudo. Há claro, muitas outras maneiras para conquistar a atenção do cão, principalmente quando você não é o dono desse, e ainda não possui muita intimidade com o bicho. Então vamos a elas:

Coisas e ou objectos os quais o agradam ou têm preferência dele. Pode ser um brinquedo -  uma bolinha de tênis, de borracha, um bonequinho ou até uma linguiça de pano (de uns 40 cm) dessas usadas em treinamento ofensivo.

Podemos também utilizarmos comidas, como por exemplo pedaços de carne, biscoitos, iogurtes, tudo aquilo que não agride tanto a saúde do animal e que ele adora comer com você.

A atenção do cão é fundamental No contrário, não será possível o êxito. O que caracteriza totalmente a prática do adestramento é a obtenção da atenção do cão, independente do estágio do ensinamento. Somente com a atenção do animal as explicações e procedimentos pretendidos serão seguidos.

Assim,se ele andar junto, receberá nosso carinho e nossa atenção em enormes elogios. Se não o fizer, você não deverá puni-lo, mas apenas não recompensá-lo.

Toda vez que ele andar junto e se comportar de acordo, ganhará carinho e conversas amistosas, sendo necessário fazer isso em todo o período que ele estiver agindo corretamente.

Importante: nunca deixe a premiação para outra hora, pois muitas vezes o animal não consegue associar o prêmio com o mérito.

Importante;

certos exercícios funcionam melhor de modo complementar e/ou contíguos. Exemplo: quando treinamos a corrida, podemos alternar esta com o andar junto e/ou sentar e/ou deitar. Um clássico nesse aspecto é o par andar junto e sentar. Para fazê-lo sentar,

colocamos a mão esquerda sob o queixo do cão e a erguemos gentilmente como se o fizesse   nos olhar e, ao mesmo tempo, conversamos com ele ou oferecemos um petisco.

A posição mais confortável para o cão ao fazê-lo é a de sentar e o cão o faz majoritariamente.

Ao final do processo, assim que ele estiver sentado e então tiver feito a parte dele, é hora de fazermos a nossa e recompensá-lo com muito ânimo.

Aos poucos diminuiremos essa ajuda, na medida em que formos percebendo que ele começa a sentar-se para receber o elogio ou o prêmio e. surpreendentemente e gratificante, o cão após isso se mostrará disposto a continuar, a fazer mais e mais, sendo então vital a associação, e aí você pode colocá-lo a andar um pouco ou qualquer outra brincadeira que seja ou não parte integrante do aprendizado.

Adestramento é tão estimulante e surpreendente, que algo bastante discutido e sentido pelos  veterinários, adestradores e criadores de animais, é a percepção aguçada dos sensores e sentidos, entre outras inúmeras qualidades.

Então, pode parecer até bobagem, mas se você mentalizar: ...como é, não vai sentar? ...o que você está esperando para sentar? ... senta vamos! Poderá ser surpreendido com o animal.

Uma prova disso são as diversas reações dos bichos quando, por exemplo, você está em casa e pensa em sair com seu cão, como que por encanto, ele chega antes no lugar onde você guarda a coleira, ou então, ao ouvir o barulho de um pote de ração, o sistema nervoso involuntário do parasimpático o faz salivar.

Seu cão fará muitas vezes exatamente o que você espera dele. Se achar que ele não vai fazer... ele não o fará. Dessa forma, há uma indução mental, e o cão responde ao erro por estarmos sempre pensando negativamente: ... eu acho que ele não vai conseguir....

Espantosamente, se começarmos a confiar mais em nosso cão ele corresponderá imediatamente. Então, a confiança é um valor fundamental.

Uma parte delicada do treinamento e aparentemente vista pelos leigos por simples e/ou bobagem é a de ensinar o cão a deitar após um pedido.

Isso ocorre porque a posição "deitado" é bastante confortável mas também não muito adequada na defesa para o cão, sendo uma posição relativamente expressada pela vulnerabilidade. Dessa forma é, praticamente, impossível obrigar um cão a deitar-se sem utilizar a violência. Entretanto, se o cão for forçado a deitar mediante violência, ele ficará desconfiado para o resto do treinamento e débil para o adestramento.

A natureza, e os animais inclusive nós humanos, seguimos e respeitamos tanto racionalmente quanto instintivamente uma das leis qualificadas pelo homem mas não própria deste, desenvolvida pelos gigantes da física ocidental que é a lei da ação e reação.

Sendo assim, se empurrarmos um animal para a frente ele nos impusirá a mesma força para trás, e se empurrarmos para trás ele nos forçará para a frente... se forçá-lo para baixo ele fará força para se levantar. É claro que a lei de ação e reação já estaria presente independente da vontade do cão, mas serve para demonstrar que o cão teimará sempre. Então, é necessário ensiná-lo a deitar, recompensando–o em seguida.

Existem várias formas de se ensinar um cão a deitar, basta criar um canal de comunicação com o cão. As mais comuns e eficazes são aquelas relacionadas com pedidos de voz. Há aqueles que trazem palavras de outros idiomas, já que acreditam ser  inconsciente do bicho o principal receptor e tradutor da informação, sendo então certo que a raça lê mais facilmente o idioma falado na região de origem.

Por exemplo, tratando-se de um dog alemão, muitos criadores aconselhariam usar o idioma alemão no adestramento e mesmo nas conversas, mas talvez não seja tão crucial assim, não é mesmo? Entretanto, se quiser usar rugen para ele deitar, é com você. O mais adequado mesmo é juntar diversos meios para se alcançar o fim. Por esse motivo, costumo deitar junto com o animal, trazendo até mais proximidade na relação e se o cão for seu, melhor ainda, pois aí sim é que ele deitará mais facilmente ainda com você, não é interessante?

Para treinarmos um cão de outro dono, primeiro ensinamos ele a sentar e, depois, seguramos gentilmente as duas patas anteriores e, uma de cada vez, fazemos o cão andar para a frente até se esticar todo e ficar deitado.
Também batemos no chão, convidando-o a deitar-se. Alguns cães conseguem deitar-se com, apenas, um ou dois toques na guia para baixo (toque de leve, jamais tranco).
Poderemos ainda utilizar a isca - oferecendo, mas não deixamos que ele a coma antes de deitar-se. Bem devagar vamos baixando a isca até ele deitar-se ocasião em que poderá comê-la.

Aí você já sabe, fazer muita festa e carinho, para depois continuar o treinamento com algo complementar, andar ou correr pode ser.

Depois basta repetir os dois primeiros passos. Após a primeira, poderá iniciar o comando “RUGEN” ou down, deitar..., escolhendo um para usá-lo sempre.

É óbvio que o auxílio de gestos e atitudes é fundamental na maioria dos casos no início. Portanto, devemos apontar o chão para ele sentar ou deitar no caso, fazendo isso sempre com a mão esquerda entre as nossas pernas e a cabeça do animal, ou também puxando bem levemente o guia para baixo e, diminuindo o grau de ajuda conforme o necessário.

Assim que perceber uma melhor assimilação do ensino deitar, aumente o tempo de permanência do cão na posição deitado, brincando de levantar com o comando ficar junto, um dos mais eficientes nessa hora.

Ao levantar, dê uma corridinha como prêmio por ele ter ficado quieto aqueles segundos.

Para começar a fazê-lo ficar, inicie na posição básica, emita o comando deita, então fale o comando fica com a mão espalmada à frente do focinho e dê um passo pequeno e lento à frente, voltando em seguida para obter confiança do cão.

Sempre que necessário repita o procedimento, a fim de não forçar ou pressionar o animal. Emita o comando "Fica!" e dê lentamente, três passos à frente, parando de costas para o cão por 2 segundos, virando-se em seguida de frente para ele e voltando em seguida para o cão.
Faça isso novamente e, ao voltar para o cão, passe por trás dele, até chegar junto para assumir a posição básica.

A fixação desse ensinamento, é feita a partir do aumento da distância do cão em passos de 3 para 5,8,12,24... e mantendo o tempo curto para voltar. Então, aumente o tempo para voltar até 15 minutos, reduzindo novamente a distância para 5 passos.

O aprimoramento do exercício é conseguido através do desaparecimento nosso da visão canina, fazendo-o esperar até você voltar. Para isso você deve se esconder.


Voltaremos mais uma vez à distância de 5 passos e o tempo de um minuto, repetindo o aprimoramento após isso, escondendo-se.  E então, aumente o tempo e distância.

O cão será considerado treinado quando ele puder se controlar, sem sair do seu lugar e vê-lo sair, afastar-se e sumir por uma hora.

O pré-requisito é o comando para deitar e o de ficar. Para aprender a atender o comando de chamada ele precisa já saber o comando anterior: deitar e ficar.

Neste exercício, vamos introduzir um equipamento novo do adestramento: a guia de 10 m.

Depois de comandarmos o "deita/fica", caminharemos para a frente deixando a guia esticada no rastro permanecendo de costas por um segundo e, voltando de frente para ele, chamaremos pelo seu nome, caso ele não venha imediatamente daremos um leve toque na guia.

Para chamar usamos o próprio nome do cão, sem um comando especial. É muito mais fácil, tanto para o cão quanto para nós, utilizarmos o nome dele, para chamar. Normalmente o cão, que já deverá estar ansioso para vir junto, entenderá imediatamente.

No momento em que percebermos que ele começa a vir, daremos alguns passos rápidos para trás com a finalidade de fazê-lo voltar mais rápido, agacharemos, e abriremos os braços para recebe-lo com muita festa.

Nesse momento importante do treinamento o cão aprendeu o primeiro comando que ele estava ansioso para aprender.

O exercício que é o mais fácil de todos para aprender, é também, o mais fácil de desaprender.

Se você chamá-lo por algo que acha que fez de errado, sem se dar conta, aplicar um estímulo negativo, como uma zanga, por exemplo, terá perdido, no mínimo uma semana de trabalho para faze-lo associar novamente seu nome a alguma coisa de prazer e satisfação.

Devemos seguir o critério de fazer sempre pequenas alterações de cada vez para dar ao cão maior segurança. Também, como estamos usando uma guia de 10 metros, o cão mesmo que “saia da raia” não nos tira o controle, e nunca deve nos tirar a paciência, não se esqueça disso jamais, pois se não, consequências diversas surgem.

Depois que o cão compreendeu o exercício, vamos repeti-lo com uma pequena alteração; desatrelar a guia da coleira, sem que ele perceba, e proceder com a mesma coreografia: deixaremos a guia para trás no nosso rastro, procurando realiza-lo da mesma maneira como se estivesse com a guia atrelada. Além de repetir todos os gestos, deveremos ter o cuidado de faze-lo no mesmo lugar.

Quando chamarmos o cão, pelo nome, faremos o mesmo gesto, dando um leve puxão na guia. Surpreendentemente, ele virá sozinho.

Agora, é só repetirmos algumas vezes, sempre alternando o exercício com a guia e sem a guia. Desta vez, quando ele chegar, interromperemos o entusiasmo pela sua chegada, exigindo que ele pare sentado à nossa frente antes de receber o carinho. Assim que ele sentar voltamos a fazer festa com mais entusiasmo ainda.

A finalização do exercício é sentar-se à nossa frente assim que fizer a aproximação, para depois assumir a posição básica. A posição básica ele poderá assumir de duas maneiras. Fazendo a volta por trás pela direita ou simplesmente rodopiando em torno do seu corpo pela esquerda.

Podemos ajudá-lo a entender que deve sentar-se à nossa frente, colocando a mão, com a palma voltada para cima, por baixo do queixo e fazendo uma leve pressão para cima, mas aumentando a força na medida que o cão não compreender que deve sentar-se. Poderemos, ainda, ajudar com um comando.

Nesse momento é conveniente utilizar, como estímulo reforçador, uma isca de fígado, que será oferecida ao cão, assim que ele sentar.

Para ensinar a assumir a posição básica, poderemos dar um passo à frente, ajudando-o com a mão a posicionar-se. Ao mesmo tempo devemos dar um comando "Junto!"

Alguns cães, quando descobrem que estão soltos, ao serem chamados, resolvem passar direto e brincar um pouco. Não devemos nem podemos zangar. A única atitude sensata é ignorar e ficar parado até que ele resolva aproximar-se. ATENÇÃO - no momento em que ele se aproximar devemos fazer a maior festa. Jamais zangar com ele.

Nunca devemos correr atrás de um cachorro fujão! Ele sempre será mais rápido que nós. Se ele foge, é porque esta com medo. Correr atrás dele será dar-lhe a certeza de que queremos pegá-lo.

Para se ensinar ao cão a pegar um objeto, começa-se sempre com algo que ele goste. Uma bolinha, um pedaço de pau, um pedaço de corda enrolada, um frisbee, qualquer coisa. E, depois transformamos a brincadeira em jogo sério.

Se o cão já é adulto ou se, simplesmente, ele não pega nada por já ter sido traumatizado, temos que tentar outro método.
Todas as vezes que se quer ensinar algo novo a um cão, temos que mostrar, o quanto antes, o final do exercício.

Quando você coloca algo na boca do seu cão ele logo irá pensar que terá que engolir aquilo, exatamente como você faz com os remédios.

Para que ele não se sinta desconfortável, tão logo você introduza o objeto em sua boca retire-o, acompanhado de um comando.

Usaremos o comando "Busca!" para o cão pegar o objeto e "Aus!" para o cão largar o objeto.

Então, ao colocarmos o objeto na boca do cão daremos o comando "Busca!" e, em seguida "Aus!" para ele soltar o objeto nas suas mãos. Jogue o objeto no chão para mostrar-lhe que acabou o exercício e dê uma corridinha com ele para brincar, elogiando-o muito. Depois, repita a mesma coisa por umas três vezes e, aí, poderá começar a aumentar o tempo que ele deverá segurar o objeto, sempre mais um segundo cada aumento.

Quando ele estiver segurando o objeto por um minuto aproximadamente, comece a ensiná-lo a andar com o objeto na boca. Na primeira vez ele irá tentar cuspir o objeto. Insista até que ele dê um passo e mande-o soltar o objeto. Faça bastante festa, dê uma corridinha e poderá voltar ao exercício novamente.

Depois, dois passos, três, quatro, até ele sair andando com o objeto na boca. Daí para a frente é muito fácil.

A próxima etapa será faze-lo pegar o objeto no chão.

Essa etapa só poderá ser iniciada quando o cão já estiver pegando o objeto sem problemas ao ouvir o comando "Busca!".

Para iniciar essa etapa temos que fazê-lo pegar o objeto vindo de baixo e não mais colocá-lo em sua boca.

Vamos abaixar cerca de um centímetro de cada vez até que ele pegue o objeto encostado no chão.

A próxima etapa será fazê-lo dar um passo para pegar o objeto no chão.
Depois dois passos até ele sair correndo para buscar o objeto e trazê-lo em suas mãos.

Dá trabalho, mas é muito fácil

Você tem três maneiras de ensinar a seu labrador a trazer e entregar a bolinha. As três requerem muita paciência:

1. Utilizando uma guia longa ou um cordão de nylon

Se ele já gosta de trazer, não poderá fugir. Recolha a guia longa muito lentamente, sem forçar jamais, até que ele esteja perto o suficiente para você colocar a mão na bolinha que está na boca. Faça carinho, brinque com ele até que solte a bolinha.
Não puxe ou tente tirar a bolinha de sua boca à força. Se fizer isso ele irá segurar com mais força e puxar contra, achando que faz parte da brincadeira. O objetivo é trocar a bolinha pelo carinho e elogios.

2. Utilizando uma isca que ele goste muito para "comprar" a bolinha.

Nesse método também se usa a guia longa. Quando ele chegar perto o suficiente para que você consiga segurar a bolinha de sua boca, mostre o petisco e tente "comprar" a bolinha, pagando com o petisco.

3. Utilizando somente a própria brincadeira.

Requer muito mais paciência, atenção e dedicação, mas é mais duradouro e a que eu, particularmente, mais aprecio.
Comece a brincadeira atirando a bolinha e indo você mesmo buscar. Repita esse mesmo procedimento umas três vezes.
Na quarta vez, quando ele pegar a bolinha, chame-a estenda a mão aberta e espalmada e peça-a para entregar a bolinha. Ele, claro, não vai entender...
Na primeira vez, para explicar, você vai até ele com essa mesma atitude: mão estendida, e pedindo... dá a bolinha... dá...?
Se ele fugir... JAMAIS corra atrás!
Se fizer isso, vai mudar o "prazer" da brincadeira e, em vez de buscar e trazer, o prazer será faze-lo correr atrás dele, brincadeira, aliás, que os cães adoram.
Pare e permaneça parado até que ele perceba que você não o está perseguindo. Ele irá parar também. Nesse momento peça novamente a bolinha (claro, sem esperar que ele entenda), abaixe-se e insista um pouco. Como ele não irá entregar, vire-lhe as costas e comece a fazer outra coisa (como os cães, quando fazem "ouvido de mercador"), brinque com a grama ou com alguma coisa que estiver por perto. Tente mostrar que se ele não lhe entregar a bolinha, a brincadeira acabou.
Como ele ainda não deverá entender..., depois de fazer isso algum tempo (depende da sua sensibilidade: 15, 25, 40 segundos) peça a bolinha novamente. Repita esse procedimento umas três a quatro vezes e, como ele ainda não irá entender, vá embora.
Volte algumas horas depois para recomeçar a brincadeira.
Se ele soltar a bolinha no chão, vá até lá e jogue-a novamente, para que entenda, primeiro, que você quer continuar a brincadeira, e depois, que é preciso sua colaboração.
Observe sempre a reação de seu cão. São muito importantes os momentos de fazer cada procedimento.
Repita esse procedimento algumas vezes. E, novamente, pare de insistir.
Você vai perceber que, em dado momento, ele vai pegar a bolinha trazendo-a para soltar mais perto de você. NÃO PERCA essa oportunidade para pegar a bolinha e jogar novamente para ele pegar. Nesse momento, ele estará começando a entender que deve levar a bolinha para você jogá-la novamente.
Depois que ele aceitar essa atitude de trazer para mais perto, algumas vezes, comece a endurecer o jogo, exigindo cada vez mais perto. Nessa segunda etapa deste procedimento basta que ele aproxime a bolinha mais uma vez. Você deve exigir cada vez mais perto até ele trazer junto mesmo.
É chegado o momento de exigir que ele entregue "em mãos".
Neste procedimento você deve começar abaixando-se para pegar a bolinha no chão. Depois, peça espalmando como no início. Nesse procedimento ele já tem conhecimento do processo da insistência e será mais curto. Insista até que ele pegue a bolinha no chão e coloque na sua mão. É a fase mais demorada mesmo.
Novamente NÃO perca essa oportunidade para se mostrar super alegre com a atitude para jogar a bolinha novamente para ele buscar.
Com a continuidade ele deverá entregar a bolinha em mãos.

Dos treinamentos é o mais fácil.

Você deve fazer um programa de trabalho;

Os cães, assim que nascem, encontram as tetas da mãe em menos de um minuto, ainda com os olhos e os ouvidos fechados. O olfato é o primeiro dos sentidos que se desenvolve e é o mais aguçado.

Querer ensinar um cão a farejar é uma pretensão igual a querer ensinar um pássaro a voar. O faro faz parte dos atributos naturais dos caninos.

O que você deve ensinar é encontrar o que você deseja.

Para percorrer uma trilha ele precisa querer...

Vamos lá;

O objetivo do treinamento do faro é fazer com que o cão associe o rastro deixado por uma pessoa àquilo que ele mais gosta. Tipo: no fim, se ele achar ganha um premio.

1. descubra o petisco que o cão mais gosta; salaminho, salsicha, fígado cozido, biskrok etc.

2. faça, na grama virgem (ainda não pisada), uma trilha com pequenos pedacinhos desse petisco (de 10 em 10 cm) de maneira que ao comer um ele já veja o outro e ao mesmo tempo associe com o cheiro da grama pisada. (Você já deve ter sentido o cheiro da relva recem-cortada, pois bem, o cão, que tem o olfato mais apurado que o nosso, consegue sentir o cheiro de grama pisada).

3. Essa trilha deve ser feita de manhã cedo, antes dos cães terem se alimentado e pode, no início, ser de um metro reto, com uma esquina e, depois, mais um metro. Ele vai fazer a trilha na primeira tentativa.

4. Na sequência, você deve ir aumentando a distância dos petiscos, bem lentamente; de 10 para 15 cm, depois 20, 30, 50, 80, 120 e só passar para outra mudança quando o cão já estiver fazendo bem a anterior. Vai chegar a um ponto no qual o cão não consegue mais ver o próximo petisco e terá que acha-lo pelo faro. Essa sequência deverá ser estendida até o cão conseguir fazer uma trilha de 100 metros, cada reta, encontrando apenas um só petisco em cada uma.

5. A próxima etapa é esconder a isca numa bolsinha que o cão não consiga abrir.
Ele terá que achar a bolsinha, avisar e esperar até que você chegue para abrir a bolsinha e oferecer o petisco.

6. A etapa seguinte é encontrar a bolsinha vazia e receber o petisco por você depois de ter indicado a bolsinha.

Pronto, você ensinou ele a achar a bolsinha. Depois é só continuar o treinamento até que ele encontre qualquer coisa que você queira.

Sem comentários:

Enviar um comentário